5 de julho de 2010

SONETO DE AMOR III (OU SONETO DO AMOR DE AMIGO)

Amo-te assim, mas tão especialmente
Que às vezes só em ti encontro abrigo
Coisa tão sublime e tão diferente
É a ágape do amor de um amigo!

Eu sinto um bem-querer de ser amado
Que se confunde até com uma irmandade
Gosto de ter-te sempre do meu lado
E desfrutar assim da tua amizade!

Posso coniar em ti - até a morte!
Meu escudeiro pela eternidade
Pois sei que em ti amigo encontro norte

E para ti, não prometo - eu juro!
Que tens em mim amigo de verdade
Que tens em mim também porto-seguro.

Anaximandro Amorim
escritor e membro da Academia Espírito-santense de Letras
(cadeira 40)

Um comentário:

lupino disse...

Um belo tributo ao sentimento da AMIZADE!

PARABÉNS!!!

Edson Lobo